Freud explica...ou não! Escolhendo o terapeuta...

Quando você vai se consultar com um psicólogo pela primeira vez, algumas dúvidas aparecem. Normal. Aliás, super normal alguém ir ao psicólogo, isso não quer dizer que você seja maluco(a), ok? Deixa eu te esclarecer melhor: um psicólogo fez uma faculdade de 5 anos (de Psicologia) e se está oferecendo atendimento psicoterápico (atendimento clínico, terapia, análise, psicoterapia), muito provavelmente fez algum curso específico da abordagem (linha, tipo, orientação) que decidiu seguir para o seu entendimento sobre saúde mental (bem-estar psíquico, emoções, alma ou coisas da cabeça). O nome que você vai chamar pouco importa, mas confunde, porque cada um chama de um jeito. 

Então, a primeira coisa para você descobrir é qual linha seu terapeuta atua, dar uma pesquisada, experimentar e ver se você se adapta ou não a ela. 

A segunda é ver se você se adapta ao seu terapeuta. Algumas pessoas gostam de profissionais mais reservados, outras de mais rígidos, ou de mais informais, mais velhos, mais novos, mais sorridentes, mais sérios, homens ou mulheres. E ainda tem as questões práticas de horário, lugar e valor da consulta...Enfim, a ideia é você se sentir confortável para começar (dificilmente no inicio você vai se sentir muito confortável, essa é uma verdade que os terapeutas não costumam revelar). 

A terceira (e mais importante para mim) é sentir se você percebe empatia por parte do seu terapeuta por você. Eu acho que o sentimento de empatia é transformador em qualquer relação, pois ele nos faz mais comprometidos, mais envolvidos. 

Para começar é isso, e isso já é bastante coisa para você prestar atenção logo no inicio ;)

(créditos da foto: The New Yorker Cartoons - Terapia - Ed. Desiderata)



Postagens mais visitadas deste blog

Essa tal felicidade...

O que você faz quando ninguém está olhando?